Dark Souls, a série em quadrinhos, #1 – review

Salve, salve, seres humanos da terra de Ishra.

Eu já ouvi falar bastante de Dark Souls e curto muito a ideia do jogo, mesmo não tendo jogado. Tem muitas coisas que eu não sabia sobre a série de jogos e uma delas é que existe uma hq da série e, já que existe, eu vou li a primeira edição e vou fazer um reviewzinho maroto aqui para vocês. Vamos lá.

Dark Souls #1

dark-souls-1-variant-cover-by-joshua-cassara

 

Na primeira página já temos uma explicação em texto puro só para contextualizar o leitor. Na prática é um texto confuso que não revela muita coisa para quem é leigo e não entende o background do jogo, o que é o meu caso.

Tem um Dragão que é foda, e ele sopra a vida no mundo, ou algo assim, e aí a vida da merda e vem a morte e uns zumbis do mal e uma parada assim e daí vem um cara poderosão sinistroso e mata o Dragão, o que faz dar mais ruim ainda para o mundo. É mais ou menos isso.

 

dark-souls-1-pag-6

 

A história mostrando uma família morta transformada em zumbis e logo na página seguinte descobrimos que é um sonho de uma guerreira chamada Fira.

Fira está viajando com um Vidente maluco chamado Aldrich, mas ela não lembra e rola um atrito. Ele cita uma maldição que estaria afetando a memória dela. Ele fala para ela onde eles estão.

 

dark-souls-1-pag-9

 

Eles entram no labirinto, matam um morto e caminham um pouco. O vidente fala que o Labirinto do mal vai atacá-los no seu íntimo, mostrando suas piores memórias e seus piores medos.

Fira tem um surto psicótico em uma página com várias lembranças loucas que só vão fazer sentido mais para frente. Ela vê o próprio filho correndo, segue ele e encontra um paladino boladão com um sol mal desenhado na armadura.

 

dark-souls-parte-15

 

Ela começa um quebra pau com o Paladino, que fica jogando umas verdades na cara dela, mas rapidamente percebe que ele é uma ilusão feita de espelhos e o destrói de um jeito bem doido. Bem doido mesmo.

Depois de mais um pouco de conversa com o vidente chato e inútil, eles seguem e encontram o Dragão (que na verdade é um cara), e Fira se prepara para lutar com ele. Aldrich a ataca pelas costas, mas ela destrói ele, que também era uma ilusão.

Daí começa a luta entre Fira e Augerer.

 

dark-souls-1-pag-23

 

Aldrich, o verdadeiro, aparece do nada e esfaqueia o vilão pelas costas e termina a luta do jeito mais sem graça possível. Fira acha “pow legal, pegamos o dente do Dragão do Fogo sinistrão. Agora acabou o trampo né?”, mas Aldrich corta o barato dela e diz várias paradas enigmáticas que não fazem menor sentido e diz que ainda tem muito caminho pela frente.

Fim da Edição.

dark-souls





O que eu achei? A armadura da Fira é bem legal … e é só isso. A história é muito rocambolesca e deixa tudo para mostrar depois, o que é meio chato para mim, que não sou fã de Dark Souls, e não faço ideia de qual é esse grande mal do qual eles tanto falam.

É exatamente esse o grande problema da história. Os protagonistas falam de um grande mal, mas todos os desafios são ínfimos e facilmente derrotáveis. O fim da luta contra o grande vilão Dragão fodarasso com armadura dos anos 90 é um grande coito interrompido e acaba a história de um dos jeitos mais preguiçosos dos quais eu me lembro. É deprimente. Sério.

 

dark-souls-1-pag-14

 

Resumindo: Se você é fã e entende as coisas todas de Dark Souls, leia a hq. Tomara que eu esteja errado e que ela faça sentido e divirta os fãs da série.
Se você não é fã da série e acha que “ok. Vou começar lendo isso para começar a entender esse mundo.” , passe direto. Não vale o esforço.

Roteiro: George Mann
Arte: Alan Quah

É isso pessoas. Eu realmente queria vir aqui e falar de uma baita hq maravilhosa que me pegasse como fã, mas não foi dessa vez.
Comente aí.
Curta a fanpage, siga no twitter.
Um abraço.
E tchal.

Eu morri 13 vezes enquanto escrevia esse post.

post publicado originalmente por mim no Portal Cultura Nerd e Geek

Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...

  • Ricardo Maciel

    colorido demais pra ser dark souls t…t

    • Não joguei os jogos da série, mas pelos trailers já da pra perceber que é bem mais escuro que isso.
      Obrigado pelo comentário.
      Volte sempre.

  • Alexander

    Cara, sou fã apaixonado da série Souls e aquilo ali não é Dark Souls. Tá colorido demais, as falas são simplistas (o lv de diálogo em DS é soberbo), as armaduras são absurdas (Dark Souls sempre prezou por um realismo imenso nas armaduras e cenários)…. não cara… aquilo ali é caça-níquel querendo se promover em cima da série Souls. Quem é fã, fique no jogo mesmo.

    • Também não curti muito não.
      Obrigado pelo comentário. Volte sempre.

    • Gabriel Alves Brandão Machado

      Catarina, Havel e smough mandam lembrança para o seu “realismo”.

      • Alexander

        Ainda é um jogo, cara. Tem de ter alguns elementos de fantasia, vide as Ultragreatswords. Mesmo assim, o jogo mantém-se no pé do realismo. Até o Skalagrin, Metatron e outros elogiam o jogo neste aspecto.

      • Charles Rauber

        Acho que o coméntario dele se refere ao fato das armaduras não possuirem enfeites. Todas que tu citou são feitas do mesmo material e tem poucos detalhes.

      • Renan Mateus

        No Design Works de DS existe uma arte que mostra um ser um humano dentro da armadura do Smough, é uma série fantástica com um pé fincado na realidade…

  • Renan Mateus

    O que dizer dessa HQ se não que ela é ruim? Que me dá dor no pâncreas e me faz querer ter um câncer terminal pra ontem? Quando ouvi falar sobre a HQ imaginei uma série que uniria os pontos entre os jogos, e mesmo não torcendo por isso achei interessante a ideia, no entanto, o que vi no lançamento foi uma HQ genérica com temática medieval usando o nome Dark Souls. Quem já jogou (e quem não jogou deve jogar, esqueça o que falam sobre a dificuldade do game e apenas jogue) sabe que Dark Souls é um mundo opressor, onde o menor erro vai lhe custar caro, as vezes muito caro, as vezes nem tanto, Dark Souls é justo, mas pune com eficiência. No decorrer da história no game o jogador descobre (ou pressupõe) que aquele mundo está daquela forma porque alguns seres foram egoístas o suficiente e colocaram tudo a perder, no game o jogador é apenas uma peça no meio de uma trama maior e no primeiro game se vê entre um jogo de interesses que envolve toda a vida em Lordran, dito isso, a HQ até tenta fazer uso desses parâmetros do jogo, mas é tão mal feito e de uma forma tão pobre que nem quem nunca jogou o game consegue gostar, os nomes dos personagens carece de carisma, o desenho da armadura da mulher é desnecessariamente sexualizado e as cores vibrantes é o exato oposto do game. Enfim, a HQ tenta, mas não chega aos pés do que é a série Dark Souls.

    • excelente comentário. Muito esclarecedor para mim que não joguei os jogos.
      Obrigado.
      E volte sempre.

      • Renan Mateus

        Só pra saber… Lugar Nenhum vem daquele lugar que Richard Mayhew visitou???

        • Do livro do Neil Gaiman? Não. Não conhecia ele até ainda agora.
          Era mais uma piada mesmo … e falta de criatividade para achar um nome melhor :/

          • Renan Mateus

            Ahhhh ta… tendi, mas não é falta de criatividade não, é um bom nome, e pra quem leu o livro é um super referência…

          • Agora eu tenho obrigação de ler esse livro, ainda mais sendo do Gaiman. Valew pela indicação. Você já leu? É show?

          • Renan Mateus

            Eu fico dividido entre Deuses Americanos e Lugar Nenhum, mas como Lugar Nenhum é de fácil leitura eu recomendo ele sim, o livro é show, é top e é turbo… e Jogue Dark Souls tb…

          • Legal, vou procurar o livro para ler.
            Quanto ao jogo, não tenho tempo nem pc pra ele.

          • Renan Mateus

            Leia sim, vc vai gostar, e já que não da pra jogar leia H. P. lovecraft tb…

Pin It on Pinterest