Gamora (2017) #1 – resenha

Salve, salve, seres humanos da terra e da galáxia.
Depois de algumas semanas falando de livros, vou voltar a falar de quadrinhos. Por quê? Por que vai demorar até eu terminar de ler outro livro, e por que eu gosto de figuras. Em resumo é isso. Hoje eu vou falar de uma hq que eu não sabia que ia ser lançada até esbarrar com ela. Uma revista (não sei se é mensal o minissérie) da Gamora.

GAMORA (2017) #1 – resenha

 

Gamora

 

A história se passa durante a juventude da Gamora, muitos anos atrás. Ela ainda está com Thanos e a Nebula e isso é esclarecido logo nos primeiros recordatórios. Dito isso vamos lá.

A história começa no aniversário de 18 anos da Gamora. 18 anos do massacre de sua raça pela raça dos Badoon. Como presente de aniversário para ela Thanos oferece Vingança.

No planeta Moord, território dos Badoon, o rei está morrendo. Em seu leito de morte ele revela que ele, mesmo como regente de uma raça dominada pelos homens, teve uma visão de que sua filha usaria uma coroa.

Na página seguinte temos uma cerimônia de coroação do filho do rei, um dos poucos momentos onde toda a linhagem real dos Badoon se reúne em um só local. Gamora está lá para eliminar a raça que eliminou a sua.

 

 

Daí tem várias páginas de porradaria com a Gamora, o Thanos e a Nebula regaçando todo mundo. Thanos revela para a Nebula que os Badoon tem um artefato chamado de O Elementar, que ele tem interesse.

Em um abrigo orbital em dos Badoon, eles contam mais a história da princesa recém nascida e conta que ela foi enviada para um planeta tensa chamado Ubilex.

De volta à nave do Thanos temos um porradeiro entre a Nebula e a Gamora por que sim. Thanos ameaça Nebula, dizendo que se ela matar a Gamora ela morre.

 

 

No dia seguinte, Nebula tortura um dos Badoon presos e ele conta o segredo da princesa Badoon. Nebula conta para Gamora e ela decide ir para Ubilex atrás da princesa. Acontece que o planeta fica depois de um buraco negro do qual ninguém sai.

Enquanto isso em Ubilex, um caçador de recompensa recebe a missão de recuperar a princesa. Gamora rouba uma nave e parte para o planeta. Thanos fica puto da cara.

Gamora segue para Ubilex.

 




 

Fim da Edição!

O que eu achei? É meio chato ver as hqs sendo retconizadas para se encaixar com as origens dos quadrinhos. Apesar disso, as origens originais dos Guardiões da Galáxia são uma enorme bagunça.

Eu preciso falar que a arte dessa hq está inacreditavelmente foda. O traço do Marco Checchetto está sensacional!

A história em si não tem nada de sensacional até agora, mas funciona bem. Gostei.

Em resumo. História bem legal. Arte foda. Recomendo.

 

 

Roteiro: Nicole Pearlman
Arte: Marco Checchetto
Cores: Andres Mossa

Então é isso. Boa hq.
Deixe aí seu comentário.
Curta a fanpage, siga no twitter e no instagram.
Compartilhe esse post.
Um abraço.
E tchal.


Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...

Pin It on Pinterest