Jean Grey, Ressurrxtion #1 – resenha

Salve, salve, seres humanos, mutantes e entidades cósmicas.
Continuando com os reviews das novas revistas de Ressurrxion, a nova fase dos mutantes no Universo Marvel. Hoje eu vou falar da primeira revista solo da Jean Grey!

Jean Grey #1 – resenha

Jean Grey #1 cover variant
A história começa com a jovem Jean Grey (lembrando que essa é a Jean original que foi trazida do passado) dizendo que é a Jean Grey, mas não aquela Jean que já foi a Fênix, a Fênix Negra, virou do mal, tentou matar todo mundo e a porra toda.

Ela relembra que é a jovem Jean Grey original, aquela que foi trazida junto com os X-Men originais do passado, uma Jean adolescente que tem que viver junto com quatro jovens guris, uma Jean que ainda tem que encontrar seu lugar no mundo.


É revelado que ela está de bobeira em Kyoto, quando surge a Gangue da Demolição tentando roubar um carro forte. Ela começa a lutar contra eles. Ela fica indecisa entre lutar contra os caras, mas ter que evitar a destruição das casas.

Em um momento, Destruidor joga um carro na Jean e ela se defende repelindo o carro. O carro entra em um prédio e a Jean fica se sentindo culpada. Ela entra, salva uma japonesa que ia ser esmagada, mas acaba sendo derrubada no desmoronamento.


Ela volta e continua lutando contra os vilões. Ela derrota dois deles, mas o Destruidor foge com um saco de dinheiro. Ela persegue o cara e o ataca mentalmente em um estacionamento.

Durante toda essa ação, Jean fica ouvindo alguma voz falando com ela.

Jean tem uma visão da Fênix e é atacada pelo Destruidor enquanto está distraída. Os X-Men, que tinham sido chamados, chegam e a encontram desmaiada. Ela os avisa que a Fênix está chegando.






Fim da Edição.

O que eu acho? Eu participei de um Vilacast sobre X-Men e lá a gente conjecturou que essa poderia ser uma série inovadora. Podia ser uma série mostrando um outro destino para a Jean Grey. Ela ainda pode ser uma personagem interessante sem precisar servir única e exclusivamente como hospedeira de uma entidade cósmica do mal.

Eu queria ver as aventuras da Jean Grey sendo só a Jean Grey. Mas pelo jeito isso não vai acontecer. Fico chateado. Esse tipo de coisa só me confirma que o universo dos X-Men têm poucos vilões interessantes. Começou Ressurrxion e as três primeiras coisas que acontecem são a volta do Magneto, da Fênix e de um grupo secreto com cara de Arma X. Nada de novo no front.

Apesar disso, a história é bem escrita e muito bem desenhada. Não é uma história ruim. O que eu estou dizendo é que uma oportunidade foi perdida.


Roteiro: Dennis Hopeless

Arte: Victor Ibáñes
Cores: Jay David Ramos

Então é isso. Uma hq legal, mas nem tanto. Vou continuar a ler só por que gosto de heroínas.
E você? O que acha de uma revista solo da Jean? Acha que precisava mesmo da Fênix?
Deixe aí seu comentário.
Curta a fanpage, siga no twitter e no instagram.
Compartilhe esse post.
Um abraço.
E tchal.

Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...