Novembro, hq brasileira – review

Salve, salve, seres humanos da terra.

Há algum tempo atrás aconteceu a Bienal de Quadrinhos de Curitiba. Nossa querida Thaineh Souza esteve lá, fez um post contando como foi e me comprou uma revista de presente. Como não amar?

A hq é Novembro, de Bruno Bispo e Victor Freundt, dois quadrinistas brasileiros muito talentosos. É claro que eu, como resenhista de quadrinhos oficial desse portal, tinha a obrigação moral de escrever um review dessa bela revista. Então vamos lá.

Novembro – resenha

photo_2016-10-25_23-48-44

 

Antes de começar eu tenho que fazer uma consideração. Em geral eu faço resenhas de edições #1 e conto tudo o que acontece nela por que ela é só abertura de um arco maior, logo o que eu faço não é spoiler. Não existe spoiler de edição/episódio #1 de um arco/série. Mas como essa revista é one shot eu não vou falar o que acontece na história, por que isso iria estragar a experiência. Então vamos lá.

A revista conta a história de dois homens, o mais velho é Lucas, um detetive que teve parte de seu corpo queimado, e Danny, um rapaz mais jovem. Eles se encontram em um banco próximo a uma árvore e relembram suas histórias e como suas tragédias pessoais fizeram com que suas vidas se cruzassem.

A história segue na forma da conversa dos dois e de flashbacks que contam suas histórias até o presente momento, indo em um crescente até o clímax onde revelações são feitas e um conflito ocorre. Isso é tudo que eu posso contar sem dar spoiler.

Comentários gerais:
O roteiro da história é bem legal e muito bem escrito. A arte em preto e branco traz um tom meio sinistro em páginas cheias de detalhes. E o ritmo é bem legal.

O roteiro usa como base a fábula do sapo e do escorpião e esses elementos aparecem em vários lugares durante a revista. Nessa parte eu tenho que fazer um comentário. Eu detesto essa fábula do sapo e do escorpião e da filosofia por trás dela, mas a forma como ela é trabalhada na hq funciona muito bem. Muito bem mesmo.

Confuso? Eu resumo. Eu não gosto da ideia de largada, mas ela é extremamente bem executada e encerra muito bem. É uma história realmente muito interessante.

Tem problemas? Tem. Tem algumas páginas em que a disposição dos quadros é muito “ousada” e pode ficar confuso para leitores menos experientes. Tem algumas linhas de diálogos que eu não curti muito, mas são poucas. E eu achei as personagens femininas meio parecidas, mas isso meio que é um detalhe.

Voltando aos elogios.
O desenho do Lucas, que é o detetive com o corpo queimado, é muito foda!
A quadrinização mais diferentona, que eu disse que não funciona em algumas páginas, funciona perfeitamente em outras, fazendo páginas dignas de pôster.
E o final da história é muito legal. Muito mesmo.

Resumindo: É uma obra prima dos quadrinhos? Não acho. Mas é uma hq competentíssima e vale muito a pena ler. Recomendo.

Agradeço a Thai por esse excelente presente e aos autores que autografaram a minha edição. Vocês são demais.




 

Novembro tem 48 páginas em preto e branco.
Roteiro: Bruno Bispo
Arte: Victor Freundt.

Eu não encontrei link de compra, mas você pode entrar em contato com os autores na página deles do facebook.

É isso galera. Procurem a revista para ler que é bem legal.
Curta a fanpage, siga no twitter.
Um abraço.
E tchal.

post publicado originalmente por mim no Portal Conversa Nerd e Geek

 


Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...