X-Men Blue #1 – resenha

Salve, salve, seres humanos e mutantes mágicos da terra.

Continuando a série de resenhas das novas revistas do universo mutante com a revista mais recente, a X-Men Blue #1.

X-Men Blue #1 – resenha


A equipe dourada de X-Men Gold segue com a equipe dos velhos velhacos enquanto os X-Men novinhos que foram trazidos do passado e agora se separaram para formar sua própria equipe. Essa equipe é a equipe original dos X-Men novinhos, Jean Grey, Cyclops, Homem de Gelo, Fera e Anjo, só que nos tempos atuais.

A história começa no jato dos X-Men com o Homem de Gelo reclamando que eles não têm mais teletransporte. Eles discutem um pouco até chegar no alvo da missão que é um iate que parece vazio. Eles descem para o iate e encontram o alvo: um vilão da série chamado Black Tom Cassidy que, por algum motivo, tem o símbolo do Batman do Futuro no peito.

X-Men Blue Black Tom Cassidy
Eles começam a cair na porrada e os X-Men ficam naquele dilema entre bater no cara e salvar os reféns. Eles agem em equipe e o Fera consegue dar uma bicuda no cara e o Cyclops acerta uma rajada nele.

Quando os X-Men acham que venceram, uma senhora diz que o Cassidy não está sozinho, e eis que surge Juggernaut!!!

X-Men Blue Juggernaut


Juggernaut
começa a dar porrada na galera. Ameaça matar o Cyclops por ter matado o Xavier. O Cyclops fala que foi outro ele quem fez isso. Eles ficam fugindo do Juggernaut e conseguem fazer com que ele caia no mar. Ele volta rompendo o casco.

O Fera, que agora é mago (não me pergunte, também não sei de onde veio isso), fala que o Juggernaut já sabe enfrentar os X-Men velhacos desse universo, mas não sabe as coisas que eles têm de diferente. O Fera faz uma magia (o pior é que é sério isso) e faz com que o Juggernaut suma.

X-Men Blue Fera fazendo magia

Cyclops discute com o Fera por que acha que ele exagerou. O Fera fala que foda-se que ele é fodão e que vai fazer o que for preciso para resolver a parada. Cyclops acha que o Fera mandou o Juggernaut para o inferno, mas o Fera explica que mandou ele para o Alaska, com uma passagem pelo inferno.

No final das páginas temos o jato dos X-Men chegando em Madripoor e se encontrando com o seu novo mentor que é, ninguém mais, ninguém menos, que o Magneto.

X-Men Blue Magneto



No epílogo temos um cara que tem garras e parece o Wolverine, mas é loiro. Não faço ideia de quem seja.

Fim da edição.

O que eu achei? Magneto? De novo? Sério? Nos episódios sobre X-Men lá do Sobre o Capuz que eu participei, a grande conclusão que a gente chegou é que a Marvel não consegue fazer nada com os X-Men sem colocar o Magneto na história. Pois é.

Não sei não. Acho que esses X-Men novinhos tinham o potencial de ser um grupo que mostrasse que a galera mais nova consegue fazer a coisa certa ao contrário do que os adultos pensam, mas parece que a primeira coisa que eles vão fazer é ser usados como joguete de um cara que todo mundo sabe que não se deve confiar. Só de pensar me da preguiça.


É óbvio que em algum momento essa equipe vai enfrentar a equipe Dourada. Espero que isso não vire um grande evento.

Roteiro: Cullen Bunn
Arte: Jorge Molina e Matteo Buffagni
Cores: Matt Milla

Então é isso. Achei essa reviravolta do Magneto meio bosta. A Jean devia ser a líder, mas não faz nada.
E você? O que acha? Também acha estranho?
Deixe aí seu comentário.
Curta a fanpage, siga no twitter e no instagram.
Compartilhe esse post.
Um abraço.
E tchal.


Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...

  • Nathália Guimarães

    Amo X-Men (mas sempre fui mais fã de livros que quadrinhos), e passei grande parte da minha infância e adolescência assistindo ao Evolution no SBT. Hahaha. Acho a cronologia e representação dos filmes meio confusa, mas seu post é excelente!

  • Franklin Sousa

    Gosto muito de X-Men e essa saga parece estar incrível, embora eu não acompanhe quadrinhos. Mas é bem legal saber o que está rolando, eu gostava do velho desenho que passava na Globo, saudades.

    Sucesso ao blog.