CORENSTEIN, da Cora Ottoni (HQ NACIONAL) – resenha

Salve, salve, seres humanos da terra.
Hoje é dia de voltar a falar de quadrinhos e, especialmente, quadrinho brasileiro. Recentemente chegou para mim o Corenstein, um compiladão de tirinhas da Cora Ottoni, financiado pelo Catarse. Eu li, é claro, e agora vou dar a minha humilde opinião.

 

Corenstein por Cora Ottoni capa

 

CORENSTEIN não e bem uma história em quadrinhos. É um compilado de tiras.

As tiras falam basicamente da vida da autora, das dificuldades de ser desenhista,  do trabalho, da falta de memória (me identifico muito), relacionamentos frustrados e cantadas ruins.

São tirinhas sobre a vida.

 

 

Uma característica interessante é que todas as tirinhas são feitas com uma única cor (uma cor para cada tirinha, não uma só, no geral). Isso exige, me parece (e aqui falo como alguém que entende muitos nadas de arte), que exige uma criatividade extra para fazer roupas, texturas e algumas firulas nas tiras. Isso da uma identidade bem legal.

O que eu achei disso tudo?

Esse livro é um daqueles livros que é tão gostoso que você lê muito rápido. O problema é que deixa aquele gostinho de quero mais. A felicidade é que ela tem uma página no facebook e as tirinhas vão para lá de graça. Então sempre tem mais. Ainda bem.

A sensação que eu fico é que a Cora é a pessoa mais legal do mundo. Não a melhor pessoa do mundo. Mas aquela pessoa doidinha com defeitos legais. É tipo um crush de amizade.

 

 

Uma figura muito destacável é a versão velha da Cora, que tem papéis importantíssimos para essa narrativa. Ela é muito engraçada. Gosto muito.

Espero ter te convencido que o trabalho dessa artista é incrível. Se não convenci, visite a página dela no facebook, ou siga no instagram e leia mais umas tirinhas. Acho que você vai gostar.

 




 

Então é isso. Mais um gibi que eu me orgulho muito de ter ajudado a financiar. Adorei de paixão.
Deixe sua opinião aqui nos comentários.
Leia, Compre e Financie o Quadrinho Nacional.
Curta a fanpage, siga no twitter e no instagram.
Um abraço.
E tchau.

post publicado originalmente por mim no portal Cultura Nerd e Geek.


Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...

Pin It on Pinterest