Red Sonja #1 – review

Salve salve seres humanos do reino de Hyrkania.

Saindo um pouco da Mavel e entrando na Dynamite pra falar da maior guerreira de todos os tempos:

RED SONJA #1.

Red-Sonja

 

Antes de começar eu tenho que comentar que nunca li nada da Sonja antes, então é possível que eu fale bobagem.

A história começa com o rei de Hyrkania na beira da morte. Sonja enfrenta um monstrão para pegar seu coração que supostamente poderia curar o rei. Ela da o sangue do mostrão pro rei, mas não resolve nada.

O rei oferece o reinado para Sonja por ela ser foda, valorosa e sinistrona, mas ela recusa por quê:

07 cópia cópia

 

O rei morre, e a história é cortada para um ano depois e mostra que a Sonja passou esse ano fora de Hyrkania. Quando ela volta ela encontra uma situação de paz e morosidade que a deixa inquieta. Ela não sabe quem é o novo rei e essa situação utópica de paz parece muito estranha.

13 cópia cópia

 

A história continua nessa linha de paz estranhamente incômoda, passando por uns sonhos da Sonja até que a paz é quebrada quando uma família fugitiva passa por ela sendo perseguida pelos Garras Negras, um grupo militar encarregado de perseguir e capturar fugitivos. O problema é que nesse caso o ~crime~ da família era apenas ter se recusado a entrar para o exército. Mas as coisas não parecem ser tão simples assim.

 

22 cópia cópia

 

A Sonja se vê num momento de decisão e obviamente escolhe o lado dos oprimidos. Começa um quebra pau e a edição acaba.

O que eu achei? Achei que a hq se arrasta demais no momento de deixar claro que a situação é tediosa. Eu já entendi nas duas primeiras páginas, mas eles continuam, acho que isso da um problema de ritmo e é uma primeira edição focada em se desligar com o status anterior, mas não consegue deixar claro do que esse novo arco se trata.

O que eu quero dizer é que eu li uma edição e ainda não sei do que o arco se trata. Acho que isso é um problema.

red sonja 1

Apesar da história não ter me agradado tanto, eu curti muito a arte. Tem um ou outro quadro que é meio zuado, mas no geral a arte é show.

Gostei muito da armadura nova dela. Pelo menos a parte de cima não é mais um dos famigerados “bikinis de combate”. Achei show. Melhor do que a amadura da Flareon Barbarian.

Roteiro: Margueritte Bennet
Arte: Aneke
Cores: Jorge Sutil

Basicamente é isso. Leiam a hq. Comentem aí.
Um abraço e tchal.

Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...

Pin It on Pinterest