U.S.Avengers: Os Vingadores Americanos #1 – resenha

Salve, salve, seres humanos da terra.

Há um tempo atrás foi anunciado uma nova revista chamada U.S.Avengers, os Vingadores Americanos, com a mesma equipe dos Novos Vingadores. Eu fiz um post explicando essa parada, mas agora a hq saiu de fato e vamos falar dela.

U.S.Avengers #1 – resenha

U.S.Avengers 1 capa

Antes de começar tem que dar um background. Existia um grupo de cientistas loucos chamado IMA (Ideias Mecânicas Avançadas) que sempre trabalhavam para super vilões e enfrentavam os Vingadores e tudo que é grupo. Em algum momento a IMA, sabendo que fazer ciência custa caro para cacete, vira uma espécie de grupo corporativo e acaba sendo contratado pelo Mancha Solar, para ser a base científicas de operações para os Novos Vingadores, um grupo com status internacional.

Depois da treta enorme entre essa equipe e a SHIELD (naquele evento O Impasse) o grupo é dissolvido e perde a sua característica internacional, mas a SHIELD perde credibilidade e agora um novo grupo, ainda com a IMA, que é um grupo que responde direto ao governo, pelo menos é o que parece. Agora a IMA significa Ideias Mecânicas Americanas e esse novo grupo é super patriota.

Dito isso vamos para o review.

A história começa com o Mancha Solar, Roberto da Costa, contando um pouco da sua história e dizendo que agora ele é cidadão americano (na verdade ele é brasileiro) e que se orgulha disso e blablabla. Depois nos mostram os vilões.

Os vilões, um grupo de terroristas extremistas genéricos,  avança para cima da Califórnia em um aero porta-aviões com um vulcão em cima. Roberto e um tal de General Maverick discutem o que fazer. Corta para a apresentação da Doutora Toni Ho(essa personagem já fazia parte da equipe anteriormente). Ela conta a sua história e conta que é a nova Patriota de Ferro. Ela é descendente de chineses.

A Patriota de Ferro tenta impedir a nave de avançar, mas precisa de muita força para isso. Ela não consegue impedir a nave, mas consegue ganhar tempo. Enquanto isso Enigma, Aikku Joniken, entra na ilha voadora dos vilões. Em outra cena ela conta a sua história. Ela é Norueguesa e apaixonada pela Doutora Toni Ho.

Enigma da um couro nos vilões do mal e pergunta como podem desligar os drones do mal, mas o cara da a entender que eles querem destruir a porra toda e se matar no processo. Não tem como parar as bombas.

Chegam para a ação o Míssil e a Garota Esquilo com sua tropa de esquilos voadores para destruir os drones. A Garota Esquilo, Doreen Green, fala um pouco de si também. Ela é canadense.

Corta para uma cena onde o General Robert L. Maverick fala sobre a construção da equipe e fala que os estados unidos inventou alguma coisa chamada Plug-In do Hulk, um implante que deixa uma pessoa ser o Hulk por uma hora a cada 1 dia e meio. Ele é o novo Hulk Vermelho.


O Hulk Vermelho destrói o aero porta-aviões vulcânico do mal dos vilões e a missão é cumprida.

Na última cena temos a narração do Míssil, Sam Guthrie. O que da a entender é que eles estão fazendo essas gravações para usar como memorando interno, para convencer a SHIELD a confiar neles. O Míssil se questiona se isso vai dar certo, quando de repente, a Capitã América do Futuro, Danielle Cage, aparece do nada.

Em outro lugar somos apresentado ao vilão, o Caveira Dourada, que faz um discurso idiota e convida vilões para algo chamado Caveiracracia.


Fim da edição!

O que eu achei? Como eu disse no meu post anterior, o Novos Vingadores era uma grande zueira com a ficção científica e eu suspeitava que essa seria uma grande zueira com o patriotismo. Continuo achando. Acho que a edição gasta muito tempo apresentando os personagens, mas eu já conheço os personagens, talvez seja necessário para quem não conhece.

No geral, não da pra saber muito para onde a série vai só pela primeira edição, mas a equipe é muito legal e tem a Imbatível Garota Esquilo. Fico muito interessado com essa relação entre a Patriota de Ferro e a Enigma. Esse Caveira Dourada não me diz muita coisa, acho que ele pode funcionar mais como alívio cômico do que como grande vilão. Não sei.

O fato da maioria dos personagens não seres americanos é uma piada né? Se sim, é uma boa piada.

Resumindo: Gostei do time. Gostei do roteiro. E a arte é muito legal. Vou continuar a ler por que confio no roteirista.




Roteiro: Al Ewing
Arte: Paco Medina e Juan Vlasco (Arte Final)
Cores: Jesus Arbutov

Então é isso. Eu curti a hq e vou acompanhar.
E você? O que acha? Curte a Garota Esquilo?
Deixe aí seu comentário.
Curta a fanpage, siga no twitter.
Compartilhe esse post.
Um abraço.
E tchal.


Vulto

Desprezível.

Você pode gostar...